RADIOGRAFIA DO TÓRAX NA TROMBOEMBOLIA

   

Mais de 90% dos casos de TEP originam-se nos membros inferiores, sendo fontes menos comuns as veias pélvicas, VCI e átrio direito. Os sinais mais comuns são dispneia, taquipnéia e dor torácica do tipo pleurítica. A maioria dos episódios de TEP não produz sintomas ou alterações detectáveis na radiografia de tórax. As alterações relacionada com a TEP sem infarto incluem a oligoemia (sinal de Westermark) , alterações no calibre dos vasos (sinal de Fleischner) , perda de volume pulmonar e alterações no tamanho e configuração do coração. As alterações radiológicas na TEP com infarto e hemorragia consistem em áreas segmentares de consolidação associadas a perda de volume. O intervalo entre o episódio embólico e a descoberta de uma opacidade varia de 10 a 12horas até vários dias após a oclusão vascular. Geralmente, a configuração de um infarto pulmonar toma a forma conhecida como corcova de Hampton. A cavitação é rara e em geral indica a presença de embolia séptica. O derrame pleural é observado em 50% dos casos e geralmente é unilateral.

Anúncios

About Dr. Licurgo Santiago

Médico radiologista Radiologia Intervencionista
Esta entrada foi publicada em Não categorizado. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s